Quer entender quem pode e como migrar para o Mercado Livre de Energia? Neste mercado, como já falamos em outros posts aqui do blog, o consumidor tem liberdade para escolher seu fornecedor, conforme seus critérios, necessidades e interesses. Com essa possibilidade, o custo do fornecimento de energia elétrica tende a diminuir devido a concorrência entre diferentes fornecedores, e isso tem atraído muitas empresas a buscarem maiores informações sobre como entrar para esse mercado. Acompanha esse artigo para saber quem e como migrar para o mercado livre energético.

Quem pode migrar?

A opção das empresas/indústrias em migrar para o Mercado Livre de Energia está ligada à demanda a ser contratada. Por enquanto, apenas clientes que consomem acima de 500 kW podem realmente migrar para o mercado livre energético. Nesse caso, existem dois tipos de consumidores que podem se enquadrar no Mercado livre: o Consumidor Especial e o Consumidor Livre.

Os consumidores com demanda de energia entre 500 kW e 2.500 kW (são denominados de consumidores especiais) estão aptos a contratar fornecedores que produzam energia incentivada, tais como, como solar, eólica, pequenas centrais hidrelétricas ou de biomassa, ou seja consumidor Especial é aquele cuja demanda contratada mínima seja 500kW. Para atingir esse quantitativo de demanda contratada, o Consumidor Especial pode ser avaliado em sua unidade, ou no conjunto delas, desde que possuam o mesma Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ). Unidades da mesma empresa que estejam localizadas em uma mesma área, sem a separação por vias públicas também podem ser avaliadas.

Os consumidores com demanda de energia superior a 2.500 kW são livres, daí o termo “consumidor livre” para contratar o fornecimento a partir de qualquer fonte, porém esse setor ainda é restrito a grandes consumidores de energia. 

Como migrar para o Mercado Livre de Energia?

A migração para o Mercado Livre de energia exige uma série de requisitos técnicos que devem seguir os regulamentos da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

Portanto, antes de optar entrar para o Mercado Livre de Energia, observe atentamente as condições necessárias para realizar a migração. No momento de efetuar a transição, conte com o suporte especializado da Mercatto para que todos os processos ocorram da maneira correta.

Uma análise completa é altamente recomendada e realmente necessária, incluindo análise da viabilidade estrutural, contratual e econômica, comparando as previsões de custo no mercado cativo e no mercado livre.

Após essas análises iniciais seguem mais algumas recomendações a serem seguidas:

  • Gestão de energia da empresa; 
  • Adequação dos medidores aos especificados pela Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE);
  • Previsibilidade do consumo de energia; 
  • Aporte de garantias financeiras na CCEE;
  • Rescisão/Encerramento do contrato com a distribuidora do mercado cativo, e que essa rescisão deve ser feita com seis meses de antecedência;
  • Após a análise, o consumidor comunicará a distribuidora sobre os contratos vigentes.

É importante destacar que, caso um consumidor livre queira retornar ao mercado cativo, a concessionária deve ser informada com cinco anos de antecedência, sendo que esse prazo de retorno do cliente pode ser menor, a critério da empresa fornecedora de energia.

Se sua empresa já está na etapa de migração e você tem dúvidas sobre como realizar o processo de forma segura, nós da Mercatto Energia estamos disponíveis para consultoria e para te auxiliar em todos os processos para ter uma migração segura.

Mas se você precisa iniciar do zero todo esse processo saiba que somos sua melhor escolha. Vamos não apenas realizar a migração da sua empresa de forma segura, assim como vamos  analisar os diferenciais do Mercado de Energia livre aplicados a sua empresa, conte com a Mercatto, somos uma empresa com profissionais especializados, capacitados e experientes para te garantir as melhores condições de mercado. Entre em contato agora mesmo e descubra tudo que temos a te oferecer!