Energia renovável é aquela que vem de recursos naturais que são naturalmente reabastecidos, como sol, vento, chuva, marés e energia geotérmica. No entanto a definição sobre o que é considerado renovável pode variar para cada empresa. Tendo em vista que grande parte da energia elétrica renovável gerada no Brasil vem de grandes hidrelétricas, com necessidade de extensas linhas de transmissão para transportar energia e grande área de reservatórios, algumas corporações e desenvolvedores usam o termo “renovável” para se referir apenas a energias renováveis não convencionais, como a eólica, solar, biomassa, resíduos sólidos e hidrelétricas de pequeno porte.

A comercialização de energia renovável envolve a implantação de três gerações de tecnologias de energia renovável que remontam a mais de 100 anos. As tecnologias de primeira geração, já maduras e economicamente competitivas, incluem biomassa, hidroeletricidade, energia geotérmica e calor. As tecnologias de segunda geração estão prontas para o mercado e estão sendo implementadas no momento atual; eles incluem aquecimento solar, energia fotovoltaica, energia eólica, centrais térmicas solares e formas modernas de bioenergia. As tecnologias de terceira geração exigem esforços contínuos de P & D para fazer grandes contribuições em escala global e incluem a gaseificação avançada de biomassa, energia geotérmica de rocha quente e seca e energia oceânica.

As políticas públicas impulsionam a aceitação mais ampla das tecnologias de energia renovável. Países como Alemanha, Dinamarca e Espanha lideraram o caminho para implementar políticas inovadoras que impulsionaram a maior parte do crescimento na última década, mas atualmente há 144 países com metas de política de energia renovável.

As energias renováveis adquiriram papel estratégico para as empresas. Ainda mais entre aquelas em busca da redução de impacto do consumo de energia e um desenvolvimento sustentável. A expectativa nos próximos anos, consequentemente, é de haver um provável aumento na busca de novas fontes que resultem em menor impacto ambiental.

Além de reduzir o uso de energia por meio de ações de eficiência energética, a compra corporativa de energia renovável desempenha um papel importante nesse contexto. As preocupações com a mudança climática também estão impulsionando o crescimento crescente nas indústrias de energia renovável. De acordo com uma projeção de 2011 da Agência Internacional de Energia (IEA), os geradores de energia solar podem produzir a maior parte da eletricidade mundial dentro de 50 anos, reduzindo as emissões prejudiciais de gases de efeito estufa.

Energia RenovávelO consumo de energia vinda de fontes limpas tem demonstrado ser uma boa opção, principalmente por ser uma solução acessível para o comércio e a indústria. Por isso, tem sido a forma escolhida por muitas empresas para reduzir custos de energia e sua pegada de carbono. Esta é uma metodologia criada para medir as emissões de gases estufa, e também auxiliar no alcance de suas metas em sustentabilidade. 

Há uma série de possibilidades para as empresas consumirem energia renovável. Uma delas é a compra direta de contratos de desenvolvedores por meio de Power Purchase Agreements. Esse sistema também é conhecido como PPA. Outra alternativa é a compra de certificados de energia renovável.

Como vender energia renovável?

Segundo a Câmara de Comercialização de Energia Elétrica, empresas que produzem ou transmitem energia fazem parte do Sistema Interligado Nacional (SIN), que abrange as regiões Sul, Sudeste, Centro-Oeste, Nordeste e parte da região Norte do Brasil. 

É no SIN que ocorrem as negociações de compra e venda de energia. O agente de mercado, seja distribuidor, gerador, comercializador, consumidor livre ou especial deve ser um membro do SIN para então realizar as negociações de energia com outros agentes. Uma negociação pode ocorrer em duas esferas, sendo no Ambiente de Contratação Regulada (ACR) ou no Ambiente de Contratação Livre (ACL).

A comercialização no mercado regulado ocorre através de contratos de agentes participantes de leilões de compra e venda de energia. Estes contratos de leilões especificam aspectos como valores, vigência e submercado de registro do contrato.

Por sua vez, a venda no ambiente livre proporciona maior liberdade de negociação entre os agentes, que podem estabelecer em seus contratos seus respectivos volumes e preços. O mercado de comercialização de energia é regulado no Brasil pela CCEE, por meio de contratos de agentes participantes de leilões de compra e venda, ou então de negociações livres. 

É fundamental que sejam aproveitadas as estruturas e capacidades que sua indústria possui, e a venda de energia é uma ótima maneira de fazer isso, de forma limpa e sustentável. Nós da Mercatto somos especializados na comercialização de energia de fontes renováveis ou não no Mercado Livre de Energia, entre em contato, temos a melhor solução para incrementar à sua indústria ou negócio.