fbpx

Quem pode e como migrar para o Mercado Livre de Energia?

Quer entender quem pode e como migrar para o Mercado Livre de Energia? Neste mercado, como já falamos em outros posts aqui do blog, o consumidor tem liberdade para escolher seu fornecedor, conforme seus critérios, necessidades e interesses. Com essa possibilidade, o custo do fornecimento de energia elétrica tende a diminuir devido a concorrência entre diferentes fornecedores, e isso tem atraído muitas empresas a buscarem maiores informações sobre como entrar para esse mercado. Acompanha esse artigo para saber quem e como migrar para o mercado livre energético.

Quem pode migrar?

A opção das empresas/indústrias em migrar para o Mercado Livre de Energia está ligada à demanda a ser contratada. Por enquanto, apenas clientes que consomem acima de 500 kW podem realmente migrar para o mercado livre energético. Nesse caso, existem dois tipos de consumidores que podem se enquadrar no Mercado livre: o Consumidor Especial e o Consumidor Livre.

Os consumidores com demanda de energia entre 500 kW e 2.500 kW (são denominados de consumidores especiais) estão aptos a contratar fornecedores que produzam energia incentivada, tais como, como solar, eólica, pequenas centrais hidrelétricas ou de biomassa, ou seja consumidor Especial é aquele cuja demanda contratada mínima seja 500kW. Para atingir esse quantitativo de demanda contratada, o Consumidor Especial pode ser avaliado em sua unidade, ou no conjunto delas, desde que possuam o mesma Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ). Unidades da mesma empresa que estejam localizadas em uma mesma área, sem a separação por vias públicas também podem ser avaliadas.

Os consumidores com demanda de energia superior a 2.500 kW são livres, daí o termo “consumidor livre” para contratar o fornecimento a partir de qualquer fonte, porém esse setor ainda é restrito a grandes consumidores de energia. 

Como migrar para o Mercado Livre de Energia?

A migração para o Mercado Livre de energia exige uma série de requisitos técnicos que devem seguir os regulamentos da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

Portanto, antes de optar entrar para o Mercado Livre de Energia, observe atentamente as condições necessárias para realizar a migração. No momento de efetuar a transição, conte com o suporte especializado da Mercatto para que todos os processos ocorram da maneira correta.

Uma análise completa é altamente recomendada e realmente necessária, incluindo análise da viabilidade estrutural, contratual e econômica, comparando as previsões de custo no mercado cativo e no mercado livre.

Após essas análises iniciais seguem mais algumas recomendações a serem seguidas:

  • Gestão de energia da empresa; 
  • Adequação dos medidores aos especificados pela Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE);
  • Previsibilidade do consumo de energia; 
  • Aporte de garantias financeiras na CCEE;
  • Rescisão/Encerramento do contrato com a distribuidora do mercado cativo, e que essa rescisão deve ser feita com seis meses de antecedência;
  • Após a análise, o consumidor comunicará a distribuidora sobre os contratos vigentes.

É importante destacar que, caso um consumidor livre queira retornar ao mercado cativo, a concessionária deve ser informada com cinco anos de antecedência, sendo que esse prazo de retorno do cliente pode ser menor, a critério da empresa fornecedora de energia.

Se sua empresa já está na etapa de migração e você tem dúvidas sobre como realizar o processo de forma segura, nós da Mercatto Energia estamos disponíveis para consultoria e para te auxiliar em todos os processos para ter uma migração segura.

Mas se você precisa iniciar do zero todo esse processo saiba que somos sua melhor escolha. Vamos não apenas realizar a migração da sua empresa de forma segura, assim como vamos  analisar os diferenciais do Mercado de Energia livre aplicados a sua empresa, conte com a Mercatto, somos uma empresa com profissionais especializados, capacitados e experientes para te garantir as melhores condições de mercado. Entre em contato agora mesmo e descubra tudo que temos a te oferecer!

 

Como a gestão de energia pode influenciar no Mercado Livre?

O Mercado Livre de Energia é um setor comercial como outro qualquer, por isso exige uma boa gestão para a implementação das melhores práticas. Existe uma série de especificidades que precisam ser conhecidas, cumpridas e geridas pelo consumidor que migra para esse mercado. O gerenciamento desses processos e o acompanhamento mensal estão intrinsecamente relacionados a gestão de energia.

Quando sua empresa realiza a migração para o Mercado Livre de Energia, no mesmo momento em que é esperado atingir economia com esta decisão, algumas responsabilidades que antes não existiam passam a compor o quadro de custos da empresa.

Quanto melhor a gestão de energia na sua empresa, melhores serão os resultados e a produtividade. Consequentemente, melhores serão as condições de competitividade de seu produto/serviço frente ao mercado. Os preços de energia não são os mesmos sempre e existem momentos de grande atratividade para compra de energia a preços baixos, assim como momentos ruins, com preços altos.

Mas se você faz uma boa gestão da energia na sua empresa pode ter muitas vantagens em comparação ao mercado cativo. Aqui estão algumas delas:

  • Estratégias de consumo: estratégias e pesquisas sobre a viabilidade econômica que permita a migração do ambiente de mercado cativo para o Mercado Livre de Energia. O consumidor saberá o quanto gastará nesse processo e o quanto ganhará em curto, médio e longo prazo. Em outras palavras, ele descobre qual será o retorno sobre o investimento;
  • Monitoramento em todo o processo: por meio da preparação e monitoramento do processo de adesão ao Mercado Livre de Energia junto à Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE). Sem esse acompanhamento há o risco de cometer sérios erros que podem até mesmo levar ao desligamento do consumidor na CCEE;
  • Inteligência de mercado: com o suporte de uma consultoria especializada em inteligência de mercado (como nós da Mercatto Energia), o consumidor é direcionado para as melhores estratégias de consumo no Mercado Livre de Energia, realizando boas negociações e obtendo as melhores tarifas de energia. Essa consultoria se dá com a criação de relatórios com a média de consumo de energia para mostrar o cenário energético daquele consumidor. Após isso, o consumo é projetado de acordo com as necessidades dele. Essa é uma ótima maneira de economizar na conta de energia sem abrir mão da qualidade dos serviços prestados. O resultado será um excelente gerenciamento das operações dos contratos de energia, das tarifas de utilização de serviços de distribuição e de transmissão;
  • Compreensão dos comunicados: o entendimento dos comunicados e informativos vindos do mercado de energia elétrica e da própria CCEE são determinantes para uma boa gestão no Mercado Livre de Energia — visto que muitos consumidores não entendem bem as movimentações técnicas e processuais que ocorrem nesse setor. A consequência desse não entendimento pode ser a perda de boas oportunidades, irregularidades ocasionadas pela falta de conhecimento, sanções judiciais e administrativas, além da rescisão do contrato com a CCEE. Para um entendimento mais claro das movimentações na CCEE é essencial ter uma gestão eficiente;
  • Resultados financeiros: como você vai saber se os resultados obtidos na sua empresa estão satisfatórios no Mercado Livre de Energia? Novamente, o gerenciamento entregará essa informação, por meio de relatórios técnicos mensais que demonstram o quanto a empresa economizou com as operações realizadas. Por meio da análise desses dados, os gestores vão descobrir o que modificar ou migrar para outras estratégias comerciais. De igual modo, esses relatórios ajudam na comparação entre os valores pagos pelo consumidor no mercado livre e no mercado cativo pelo mesmo montante de energia.

Diversos benefícios podem ser atingidos para o seu negócio por meio de uma boa gestão no Mercado Livre de Energia. Com certeza, as empresas que aderem a esse sistema podem comemorar os excelentes resultados em curto, médio e longo prazo. Acredito que você entendeu a importância de ter uma empresa especializada e experiente para realizar a gestão de energia na sua empresa. Entre em contato conosco, pois temos muito mais à disposição do seu negócio.

CCEE e sua participação no Mercado Livre de Energia

O Mercado Livre de Energia foi primeiramente instituído em 1995, no mandato do presidente da época Fernando Henrique Cardoso. A intenção foi de promover a abertura do setor energético, com estímulos a uma maior concorrência no mercado de fornecimento de energia, seguindo uma tendência que já era de ordem mundial.

O governo brasileiro estabeleceu em 2004 um marco regulatório para o setor elétrico, foi então criada a Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE). A CCEE se instituiu por um projeto de lei e regulamentada por decreto ainda em 2004. Resumidamente, a instituição tem a finalidade de viabilizar a comercialização de energia elétrica no mercado de energia brasileiro.

A CCEE faz a gestão dos ambientes de comercialização de energia elétrica, registrando contratos firmados entre geradores, comercializadores, distribuidores e consumidores livres. Para isso, busca antecipar-se às necessidades deste mercado e propor as melhores soluções para seus associados.

Além disso, a CCEE também oferece programas de capacitação e suporte para que os associados realizem seus negócios de forma ágil e segura, seguindo as regras e procedimentos de comercialização. A empresa também disponibiliza informativos específicos para a tomada de decisão de seus agentes. Ainda no âmbito informativo, a CCEE presta suporte às operações dos associados por meio dos Comunicados, com informações direcionadas a cada perfil de agente. A CCEE também dispõe de uma Central de Atendimento, onde especialistas no mercado de energia elétrica estão à disposição para esclarecer dúvidas e prestar suporte aos associados sobre os mais diversos assuntos relacionados às suas operações.

Como funciona a CCEE no Mercado Livre de Energia? 

Primeiramente as empresas responsáveis pela produção e transmissão de energia compõem o Sistema Interligado Nacional (SIN), que atualmente abrange as regiões Sul, Sudeste, Centro-Oeste, Nordeste e parte da região Norte do Brasil. De grande porte, o SIN é interligado por linhas de alta tensão.

Neste sistema ocorrem as negociações de compra e venda de energia. Isso significa que, uma vez que um agente de mercado (distribuidor, gerador, comercializador, consumidor livre ou especial) se torne membro do SIN, pode negociar energia com qualquer outro agente, independentemente das restrições físicas de geração e transmissão.

No Brasil, a energia é proveniente principalmente de hidrelétricas de grande porte. As usinas térmicas também desempenham papel fundamental, pois complementam a geração hidrelétrica em períodos de estiagem e em horários de pico.

Como prevê a governança do setor elétrico, as atividades para a viabilização da comercialização de energia elétrica no Sistema Interligado Nacional – SIN são gerenciadas pela CCEE. 

Após aproximadamente duas décadas depois da criação da CCEE, o Mercado Livre de Energia já representa mais de 30% de toda a carga do setor elétrico nacional.

Na comparação com anos anteriores a base de usuários tem crescido. Porém a maior parte dos clientes está localizada nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais. Além disso, esse crescimento dos usuários tem sido registrado em todas as regiões do país.

O setor elétrico brasileiro possui um modelo de operação diferenciado em relação ao restante do mundo. No país, há um enorme potencial energético a ser explorado, principalmente no que diz respeito às fontes renováveis, o que implica constantes inovações tecnológicas e regulatórias.  Nesse contexto, o papel da CCEE é fortalecer o ambiente de comercialização, por meio de regras e mecanismos que promovam relações comerciais sólidas e justas para todos os segmentos (geração, distribuição, comercialização e consumo).

Os benefícios que podem ser alcançados ao entrar para o Mercado Livre de Energia Elétrica são muitos. Se sua empresa se enquadra como agente da CCEE, então a próxima etapa é realizar a adesão. Mas se você tem dúvidas de como realizar esse processo, experimente confiar essa parte difícil do processo a uma empresa especializada e a um time completo e experiente como o nosso da Mercatto Energia. Entre em contato conosco, pois temos a melhor solução energética para oferecer a sua empresa, fazendo com que atinja os resultados desejados.

Vantagens para a sua empresa ao entrar no mercado livre

O mercado livre de energia elétrica é um modelo de negócios relativamente recente e isso pode trazer inúmeras dúvidas sobre esse serviço. Por isso, vamos explicar quais são as vantagens que sua empresa vai encontrar migrando para o Ambiente de Contratação Livre de Energia.

Mercado Cativo x Mercado Livre

Antes de aprofundar nesse tema, vamos a um conceito básico que vai ajudar a ampliar seu conhecimento sobre o tema. De forma resumida podemos dizer que consumidores de energia elétrica podem atuar em dois ambientes de contratação de energia, o Mercado Cativo e o Mercado Livre.

O Mercado Cativo e o Mercado Livre existem lado a lado conduzindo as negociações de compra e venda de energia elétrica. A diferença é que no Mercado Cativo, ou Ambiente de Contratação Regulada – ACR, os consumidores são atendidos pelas distribuidoras de energia que tem as concessões para vender energia. Em outra mão, no Mercado Livre a compra é feita pelos consumidores diretamente das comercializadoras, através de contratos com condições livremente negociadas, como preço, prazo e volume.

Esclarecendo dúvidas sobre o Mercado Livre de Energia Elétrica

Nutrido por essas informações, talvez sua principal dúvida é se você pode ficar sem o fornecimento de energia elétrica. O fornecimento de energia é garantido pela distribuidora, assim como no mercado cativo. Dessa forma, o risco de faltar é quase nulo, exceto em casos de apagão ou de racionamento de energia. No entanto, nessas condições, o mercado cativo e o mercado livre são afetados igualmente, já que o fornecimento de energia não depende do local de contratação do cliente.

Vantagens do Mercado Livre

Como já dissemos antes, no mercado livre você pode:

  • Negociar o fornecedor, período, quantidade e preço da energia contratada.
  • Escolher de quem e como comprar energia, negociando livremente os acordos contratuais;
  • Os preços da energia em relação ao Mercado Cativo são mais atrativos em comparação ao Mercado livre, trazendo maior economia;
  • Maior flexibilidade na compra de acordo com o seu perfil de carga e sazonalidade de consumo;
  • Melhor previsão orçamentária e melhor planejamento financeiro para sua empresa, pois os reajustes são previamente acertados em contrato.

Se os riscos são pequenos, por que nem todas as empresas entram para o mercado livre de energia?

Aí é que conhecemos as desvantagens do mercado livre. Por ser um sistema mais complexo que o habitual, muitas empresas têm dúvidas sobre o funcionamento e acham que o mercado não é vantajoso para diminuir os gastos da organização. Sem falar que, para migrar, sua empresa precisa atender alguns requisitos básicos da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), que é a câmara reguladora do setor.

É por esse motivo que ressaltamos que uma consultoria especializada é importante antes, durante e após migração para orientar o consumidor de todas as possibilidades, bem como do passo a passo para obter o melhor resultado possível.

Entender o mercado e como ele pode gerar economia para sua empresa é o ponto inicial para a migração. Ficou com alguma dúvida? Entre em contato conosco que vamos esclarecer e te mostrar como isso pode ser tudo que sua empresa mais precisa no momento!

Como trabalhar nos horários de ponta sem se preocupar com a conta de luz

O horário de ponta é assim chamado por ter um grande aumento de consumo de energia elétrica pela população em determinado período. Com isso, é aplicada uma diferença nos preços cobrados, variando conforme a demanda, como já explicamos aqui.

Em nosso País, esse horário de ponta pode variar de estado para estado. Geralmente ocorre entre as 17h e 21h, que é quando a maior parte da população está retornando para casa, utilizando eletrodomésticos e gastando mais energia.

Como as residências costumam usar muita energia nos horários de pico, a dificuldade para suprir a demanda é alta. Como consequência, o valor sobe e por isso as empresas e indústrias preferem não trabalhar durante este período. Isso sem falar que o aumento do valor cobrado também tem o propósito de incentivar o uso de energia fora dos períodos de pico.

A preocupação com a conta de luz impede que as empresas e indústrias trabalhem nesses horários para não correr o risco de o valor gasto com energia ser maior do que o faturamento. Afinal, é melhor prevenir do que remediar, certo?

 

Mas assim como todas as coisas ruins têm um lado bom, é aí que entra o mercado livre de energia. O propósito desse mercado é ser uma vantagem para o consumidor e para o meio ambiente, e é por isso que ele vai amenizar (e muito) seu medo da conta de luz.

É comum as empresas que utilizam mercado cativo pausarem suas atividades durante o horário de ponta. Já no mercado livre, é o oposto. As empresas são incentivadas, por meio de descontos na tarifa de distribuição, a consumirem energia nos horários de ponta, já que a única fonte utilizada dentro deste mercado é a renovável.

Além da possibilidade de trabalhar em horário de ponta com economia em energia garantida, o mercado livre permite que você tenha total controle do consumo de energia. Isso possibilita um planejamento orçamentário dos gastos de luz da sua empresa em curto, médio e longo prazo.

As vantagens oferecidas pelo mercado livre são muitas. Por que sua empresa ainda não aderiu a este modelo de consumo e começou a economizar desde já?

Fontes Renováveis

As fontes de energia renováveis, apesar de muito conhecidas, ainda não desenvolveram todo seu potencial. Isso significa que apesar de estarem sendo bem aceitas em empresas e residências — inclusive dando resultados positivos quanto à diminuição de gastos —, ainda há muito a ser explorado em relação a sua tecnologia para geração energética.

Sabe-se que a energia proveniente do Sol e do vento, por exemplo, são extremamente abundantes. Com o conhecimento que temos hoje, já é possível usufruir dessas fontes para substituir o mercado cativo (mercado tradicional de distribuição de energia). Nesse sentido, se deduz que daqui há alguns anos, a substituição do modelo de distribuição pelo renovável será inevitável.

Por este motivo, investidores estão apostando neste mercado para aumentarem sua renda em longo prazo. Com o aumento da popularidade de negócios sustentáveis, da implementação de hábitos saudáveis e orgânicos, a energia renovável vai se aproximando cada vez mais da vida de consumidores que buscam alternativas para ajudarem o planeta como um todo.

Trocar o fornecedor de energia já está se tornando pauta em grandes empresas principalmente pela responsabilidade com o meio ambiente e pela previsibilidade de gastos (falamos um pouquinho mais desse assunto neste post AQUI). E quais são as opções que você tem caso queira um fornecimento de energia mais limpo? Aqui vão as quatro alternativas mais populares para você ficar por dentro!

1. Energia Fotovoltaica ou Solar: A mais famosa dentre as renováveis, esse tipo de energia é muito popular pela facilidade em encontrar fornecimento terceirizado.

2. Energia Eólica: Popular em lugares com loteamentos grandes e desabitados, essa modalidade usa da força dos ventos para gerar energia. Está sendo muito procurada por investidores.

3. Energia Hidrelétrica: Gerada pelo movimento das águas e rios. Entre os países que mais produzem hidroeletricidade estão Canadá, Brasil e China.

4. Biomassa: É a tecnologia que permite converter em energia uma variedade de produtos como plantas, excrementos, madeira, resíduos agrícolas e até o lixo. É muito promissora para resolver o problema de resíduos que atinge o mundo inteiro.

Agora só falta você fazer a sua parte, seja investindo ou trocando de fornecimento! Vamos começar juntos a revolução verde na sua empresa?

 

Energia Incentivada uma das principais fontes renováveis de energia!

Energia Incentivada: Energia Eólica

No Mercado Livre de Energia Elétrica o consumidor pode escolher entre diferentes fontes de energia, a Energia convencional ou a Energia incentivada.

O que é Energia Incentivada? 

A energia incentivada é geralmente produzida em usinas eólicas, de biomassa, solares e de PCH’s (pequenas centrais hidrelétricas). Para estimular os investimentos em fontes limpas e renováveis de energia elétrica, a regulamentação do setor concede um desconto nas tarifas de uso dos sistemas de transmissão (TUST) e de distribuição (TUSD) para esses empreendimentos. A energia produzida a partir dessas fontes pode ter um custo maior de produção devido ao uso da tecnologia empregado, porém o consumidor que as adquire tem direito a esses descontos no uso do sistema de distribuição como um incentivo para a continuação e crescimento desse tipo de energia. Os descontos variam de 50 à 100% da TUSD (Taxa de Uso do Sistema de Distribuição) e dependem do tipo de empreendimento e da data de homologação ou registro do empreendimento junto à Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL).

Fontes de Energia Renováveis

Entre as fontes de geração de energia incentivada podemos destacar as PCHs (PIE, AP) aquelas com potência instalada entre 1000 kW e 30.000 kW. Empreendimentos com Potência Instalada até 1000 kW. Fonte solar, eólica ou biomassa de potência injetada na linha de distribuição e/ou transmissão até 30.000 kW.

Além disso, carrega esse nome por ter incentivo de tarifas de distribuição, ou seja, descontos que são aplicados na energia vendida. Para estimular os investimentos em fontes limpas e renováveis de energia elétrica, a regulamentação do setor concede um desconto nas tarifas de uso dos sistemas de transmissão (Tust) e de distribuição (Tusd) para empreendimentos solares, eólicos, a biomassa, a biogás e Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs). O abatimento pode ser de 50%, 80% ou 100%, de acordo com a fonte geradora da energia.

Benefícios para o consumidor de Energia Incentivada 

Em poucas palavras, o consumidor deste tipo de energia acaba por aumentar a liquidez do próprio negócio em relação aos concorrentes, ganhando um diferencial competitivo pelo o simples fato de reduzir os custos que antes eram variáveis para uma conta fixa. Ao se tornar um consumidor livre de energia, fica claro que a empresa está buscando um melhor cenário para a sua área energética, pensando na redução de custos e na melhoria do planejamento e gestão de energia a longo prazo, e atingido nesse processo a sustentabilidade do seu negócio.

Sendo assim, podemos dizer que optar pelo mercado livre de energia não se trata apenas de uma alternativa sustentável para o seu negócio, mas sim de uma otimização de custos. Esse tipo de ação pode tornar muito mais eficiente diversos setores e processos de sua empresa.

Um deles — muito buscado hoje em dia pelas grandes organizações — é o selo verde de empresa sustentável. Nossos clientes que optam pela energia incentivada recebem um certificado de uso de energia renovável, que é um pré-requisito importante para obter um diferencial competitivo no mercado, e algo que melhora não só a imagem do seu negócio como vai contribuir para um mundo mais sustentável.

Vale ressaltar que, para adequar sua empresa em uma das categorias de incentivo, é importante realizar um acompanhamento profissional. Lembre-se que a Mercatto tem o know-how necessário para te assessorar no mercado de energia livre! Quando você perceber a economia real que fará com o controle dos gastos da sua empresa, você estará livre a novas perspectivas e a atingir outras metas tão desejadas para o seu negócio.

Qual o percentual (%) de desconto que posso ter ao adquirir a Energia Incentivada?

A energia incentivada foi criada com o intuito de promover o desenvolvimento de fontes alternativas de energia elétrica a partir de fontes renováveis. A energia incentivada é geralmente produzida em usinas eólicas, de biomassa, solares e de PCH’s (pequenas centrais hidrelétricas). Os descontos atribuídos para a compra da Energia Incentivada são concedidos na fatura da concessionária, conhecida no mercado livre como fatura TUSD (Tarifa de Uso do Sistema de Distribuição), a qual é cobrada distribuição, encargos e impostos, quando o cliente está no Mercado Livre de Energia.

A energia incentivada pode ser sem desconto ou com descontos de 50%, 80% ou 100% na TUSD, conhecidas, respectivamente, como I0, I5, I8 e I1. Os consumidores com demanda maior ou igual a 1.500 kW, também chamados de consumidores livres, podem escolher qualquer tipo de energia entre as disponíveis. Já aqueles com demanda inferior a esse número, os consumidores especiais, apenas podem comprar as energias de fonte incentivada, como a I0, I5, I8 e I1, veja abaixo as situações em que os descontos são aplicados dependendo da fonte de energia proveniente:

    • Desconto de 50% a partir do 11º ano de operação da usina solar e para projetos que começarem a operar a partir de 1/1/2018.
    • Desconto de 50% de usinas eólicas, biomassa e cogeração qualificada.
    • Desconto de 80% na TUST e na TUSD para usinas solares que entrarem em operação até 31/12/2017.
    • Desconto de 100% para usinas (sem especificação da fonte) que entraram em operação antes de dezembro de 2003 (outorgas emitidas pela ANEEL).
    • Desconto de 100% para usinas que utilizam resíduos urbanos (biogás).

Como vimos existem várias especificidades na compra de energia no Mercado Livre de energia e é papel do gestor de Energia desenvolver uma análise adequada e eficiente dos descontos que estão sendo atribuídos, mês a mês, para que o consumidor não se confunda com as tarifas aplicadas no Mercado Livre de Energia. A Mercatto Energia dispõe de um time de especialistas com amplo conhecimento e experiência no Mercado Livre de Energia e podemos cuidar de todos esses detalhes para a sua empresa.

Entenda os contratos da Energia Incentivada: 

O Mercado Livre de Energia oferece a possibilidade aos seus participantes da elaboração de contratos bilaterais que são completamente passíveis de negociação. Porém antes de firmar um contrato existem você precisa avaliar alguns pontos importantes que são:

    • Perfil de consumo de energia elétrica do seu negócio;
    • Quantidade de unidades consumidoras;
    • Modulação;
    • “Timing” adequado para efetuar a compra de energia no mercado;
    • Vigência e flexibilidade do contrato;
    • Preço e volume da energia elétrica contratada;
    • Período de fornecimento e condições de pagamento;

As condições comerciais básicas acima devem ser sempre levadas em conta na elaboração de um contrato de compra de energia incentivada com o objetivo de assegurar a operação para ambas as partes. As etapas de negociação e elaboração do contrato são processos que requerem amplo conhecimento tanto de aspectos comerciais e regulatórios do setor elétrico. Porém, vale ressaltar que quanto menor o período do contrato, mais o cliente estará exposto às oscilações do preço da energia.

Para fazer a migração da sua empresa para o Mercado Livre é importante conhecer todos os fatores que podem interferir nos preços da energia elétrica, e a maior parte deles será definida no momento da negociação e elaboração do contrato. Essa migração representa uma transformação na forma de gerenciar os custos da sua empresa com energia elétrica. Você passa a ter liberdade de escolher fornecedores e negociar contratos de energia e, assim, de otimizar os recursos relacionados a esse insumo, mas também esteja atento as mudanças no mercado para garantir que você está realmente fazendo um bom negócio para sua empresa. Nesse caso a gestão inteligente de energia fará toda a diferença para atingir a economia tão desejada com esse insumo.

Para isso é de fundamental importância conhecer bem o mercado e o seu próprio perfil como consumidor de energia, outra alternativa é contratar nossa consultoria especializada no assunto, nós da Mercatto Energia vamos te orientar de forma a usufruir de todos os benefícios do Mercado Livre de Energia.

Saiba identificar o uso de Energia Incentivada.

No Mercado Livre de Energia o consumidor compra diretamente do gerador ou comercializador, e pode negociar livremente preço, condições de pagamento, prazo do contrato, volume de energia, entre outros.  Para migrar ao Mercado Livre, na condição de Consumidor Livre (energia convencional), as empresas precisam ter demanda energética igual ou superior a 2.000 kW, e qualquer nível de tensão.

Para migrar ao Mercado Livre, na condição de Consumidor Especial (energia incentivada), as empresas precisam ter demanda energética igual ou superior a 500 kW, não ultrapassando 2.000 kW. A energia incentivada vem de Micro e Pequenas Centrais Hidrelétricas (CGHs e PCHs), e de empreendimentos com base em fontes solar, eólica e biomassa. Então se sua empresa tem uma demanda energética igual ou superior a 500 kW e não ultrapassa 2000 kW pode se enquadrar como um possível consumidor de energia incentivada.

A migração para o Mercado Livre de Energia pode trazer vários benefícios, e também riscos para o seu negócio. Conhecer esses riscos pode ajudar você a tomar a melhor decisão, para isso é necessário você realizar uma análise de viabilidade para seu negócio, e isso compreende 3 etapas, com o objetivo de confirmar se a empresa está pronta para a migração.

Essa análise vai trazer resposta as seguintes perguntas abaixo:

    • Qual a economia real que será obtida com essa mudança?
    • O período do ano é propício para a migração?
    • Quais são os investimentos necessários para essa mudança?

Nessa etapa da análise de viabilidade de migração entre mercados, a escolha da fonte de energia mais econômica é fundamental, pois será a base para o cálculo do Custo da Energia e do Custo do Transporte da Energia, visualizar esses custos ajudará a decidir se migrar para o Mercado Livre de Energia valerá a pena. Comparar os custos energéticos diz muito sobre a economia que você vai obter ao migrar para o Mercado Livre de Energia. Porém, a análise de viabilidade só é concluída após se levar em conta também a vigência dos contratos, quanto mais curto um contrato, maior a oscilação de preços da energia.

Conte com a Mercatto Energia para fazer uma avaliação detalhada entre diferentes cenários e fatores, através dessa análise conseguimos oferecer para a sua empresa o melhor custo-benefício, mesmo em cenários de alta volatilidade.

O que é Energia Incentivada?

Proveniente de fontes renováveis e ecologicamente corretas de baixo impacto ambiental. Energia renovável é a energia proveniente de recursos naturais como o sol, vento, chuva, marés e energia geotérmica, que são recursos renováveis (ou seja, naturalmente reabastecidos). Para geração de energia elétrica, as fontes renováveis mais comuns são as Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs), energia térmica proveniente de biomassa, energia eólica, energia solar e biogás.

Qual o benefício da Energia Incentivada?

A energia incentivada é oriunda de energias sustentáveis que são consideradas limpas quando não emitem substâncias que contaminam o solo ou a atmosfera, portanto utilizar energia incentivada causa impactos positivos e relevantes para a sociedade. O consumidor livre de energia pode adquirir energia de geradores de fontes renováveis, diminuindo o impacto que sua produção reflete no meio ambiente. Um outro benefício de usar energia incentivada é que é financeiramente mais interessante devido aos descontos concedidos nas tarifas, trazendo redução dos gastos energéticos da empresa.

O que Energia Incentivada Especial?

É o tipo de energia que pode ser adquirida por qualquer consumidor e descontos são concedidos na TUSD. Oriunda de fontes alternativas de energia renovável, que injetem até 30 MW de potência na rede de distribuição ou transmissão (PCHs, solar, eólica e biomassa). Concessão de 100%, 80% e 50% de desconto nas TUSD/TUST conforme autorização da ANEEL.

O que é Energia Incentivada não especial?

É proveniente de fontes de energia que possuem percentual de desconto na TUST/TUSD, aplicado na produção e no consumo, porém não podem comercializar essa energia com Consumidores Especiais.

Energia Incentivada é mais barata?

A energia incentivada tem seu custo final mais barato devido aos descontos concedidos na TUSD, mas originalmente trata-se de uma forma de produzir energia mais cara, porém graças aos descontos oferecidos esse tipo de energia tem como vantagem a diminuição dos preços. As empresas que migram para o Mercado Livre de Energia têm uma ótima possibilidade de redução dos gastos energéticos utilizando um tipo de energia ambientalmente amigável. Sendo assim, podemos dizer que optar pelo mercado livre de energia não se trata apenas de uma alternativa sustentável para o seu negócio, mas sim de uma otimização de custos. Esse tipo de ação pode tornar muito mais eficiente diversos setores e processos de sua empresa.

Por que migrar do mercado cativo para o mercado livre?

Para muitas empresas, a energia do Mercado Cativo, ou mercado tradicional de energia, ainda é a primeira — e, muitas vezes, a única — opção na escolha de fornecimento de energia.

Você pode até não perceber, mas quanto mais tempo sua empresa permanece no mercado tradicional, mais ela sofre com as penalidades na variação de custo de energia. Isso ocorre principalmente pelo acréscimo de custo das Bandeiras Tarifárias da fornecedora e pelo Horário de Ponta.

Ah, se você quiser saber um pouquinho mais sobre as Bandeiras Tarifárias, temos um post no nosso blog falando exatamente sobre isso: clique aqui para ir lá antes de continuar a leitura.

Atualmente, existem dois principais tópicos que refletem diretamente nos custos do negócio para empresas que ainda operam no Mercado Cativo:
 
1. Preço e competitividade: Seu Markup sobe, e consequentemente, o preço do seu produto também, dificultando processos de venda e fazendo com que sua empresa possivelmente perca espaço no mercado.

2. Abertura de novos turnos: Você provavelmente precisará abrir novos turnos para que sua empresa não sofra demais com o preço da energia em Horário de Ponta. Essa alternativa acaba sendo muito custosa em longo prazo, principalmente porque “reiniciar máquinas”, por exemplo, tende a gastar muita energia. Além de quebrar o processo produtivo, você acaba desperdiçando matéria-prima até se adaptar ao fluxo produtivo novamente.

Para solucionar de forma eficaz estes dois tópicos, você pode contar com a previsibilidade de custo. Ao optar pelo Mercado Livre de Energia, com um planejamento anual de médio e longo prazo bem executado, você ganha mais controle de suas contas, podendo saber com maior exatidão o quanto sua empresa irá gastar com energia. Além de reduzir custos e tornar sua empresa mais competitiva, você estará decidindo por uma fonte de energia sustentável, o que poderá potencializar seus resultados.

Bandeira Tarifária e Horário de Ponta

 

Não é nenhuma novidade que grandes consumidores que operam no Mercado Cativo de Energia enfrentam dificuldades no planejamento de custos com um dos seus principais insumos: a energia elétrica. Para os consumidores cativos, a Bandeira Tarifária representa um custo extra mensal, dependendo das condições de geração energética do país. Entenda melhor!

A Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) traça o indicativo das Bandeiras, categorizadas em verde, amarela ou vermelha. Elas indicam se há acréscimo de custo repassado ao consumidor final. Com exceção da Bandeira verde, as outras — Bandeiras amarela e vermelha — representam condições custosas e menos favoráveis de geração de energia. É sabido que praticamente todos os consumidores cativos das distribuidoras são faturados por meio desse sistema.

Não há negociação e a divulgação tarifária ocorre de acordo com calendário previsto pela ANEEL, não permitindo margem ao consumidor para planejamento de gastos. Até aí nada de novo, não é?

Outro ponto que merece destaque, e que representa um custo elevado para os consumidores do Mercado Cativo, é a Tarifa de Energia no Horário de Ponta. Em poucas palavras, é um determinado período do dia em que o valor pelo uso da energia aumenta significativamente, impactando na produção de grandes empresas.

As Tarifas de Energia englobam os custos envolvidos tanto na geração e transmissão quanto na distribuição de energia elétrica, além de outros encargos.

E quem acaba sofrendo com esse aumento de energia?

O cliente final da empresa que opta pelo fornecimento de energia no Mercado Cativo. Isso porque a energia está ligada aos custos da produção de cada produto.

A melhor solução para eliminar os custos da Bandeira Tarifária e com as elevadas tarifas cobradas no Horário de Ponta é migrar do Mercado Cativo para o Mercado Livre de Energia. Com a mudança, a energia no horário de ponta tem o mesmo preço que nas demais horas do dia e não existe o adicional das Bandeiras Tarifárias.

Que tal se livrar das tarifas imprevisíveis e optar por retomar o controle dos seus gastos com energia elétrica?